Brevemente

Quando vai Carmen fazer Lady Macbeth?

Sinopse:

O público pediu mais histórias, Carmen pediu-nos mais espaço para as contar. Assim surge Quando vai Carmen fazer Lady Macbeth?
Carmen é uma Clown. Mas não é “mais uma” Clown, dado o seu bom nascimento e o que entretanto conquistou. Na verdade, a ideia de Carmen é muito simples e ao mesmo tempo extremamente complexa. Ela tem o sonho de fazer os papéis femininos mais famosos das peças de Shakespeare (como já foi o caso de Julieta) e acorda com o público só lhes retirar uma hora da sua atenção. Para isso, ela tem na equipa, um contra-regra, com a função específica de não tirar os olhos do relógio que está em cena e fazer imediatamente soar um gongue no último movimento acordado do ponteiro dos segundos. Não perdendo o facto de ser uma Clown, ela sela este contrato prometendo dar o seu máximo no cumprimento de todas os trechos e tarefas que afincadamente preparou para dar a mostrar. E como se trata mesmo de dar o máximo… não pode prometer mais do que não ser a entrega àquele momento. Ao momento em si dentro daquela sala. O que pode incluir os movimentos daquele espectador de bigode sentado na primeira fila ou aquela mosca que perpassa a cena em busca do calor dos projectores…

Ficha Artística e Técnica:

Com Elsa Valentim | Direção: Nuno Pino Custódio | Concepção Plástica: João Rodrigues | Figurino: Rafaea Mapril | Música: José Peixoto | Produção Executiva: Vanessa Pereira | Produção: Teatro dos Aloés | M/14

Apresentações:

Dias: 24 a 26 de maio 2019 no Cine-Teatro D.João V (Damaia);
Dia: 1 de junho no Festival Alter CulturFest (Alter do Chão);
Dias: 28 e 29 de junho no Fórum Romeu Correia (Almada).

Lovers – Vencidos

Sinopse:

Vencidos, com estreia agendada para Junho de 2019, é uma peça sobre os amantes de meia-idade. Hanna e Andy gostam um do outro, mas a mãe de Hanna, e a vizinha do lado, vigiam-nos constantemente. São as duas muito devotas e não aprovam o amor entre eles, interrompem-nos constantemente, exigindo decência e orações. Andy e Hanna acabam por casar, mas a desilusão chega depressa com o peso das circunstâncias e dos preconceitos. São eles os vencidos, encurralados num casamento sem amor e sem saída. 

Em Vencedores os amantes libertam-se pela morte, em Vencidos os velhos amantes ficam presos pela vida. 

É a terceira vez que o Teatro dos Aloés leva a cena uma peça de Brian Friel, autor que nos é muito querido e uma das maiores vozes do teatro irlandês, por muitos considerado ” o Tchekhov irlandês”. Fundador da Field Day Theater Company, são dele estas palavras: “…os dramaturgos da Irlanda tiveram sempre que escrever para o palco inglês, de modelar a sua voz para os ouvidos ingleses. Era algo que tinham de fazer se queriam exercer os seus ofícios. Todos eles foram, de algum modo, mutilados. Mas agora temos uma oportunidade. O que muitos estão a fazer é a escrever para nós próprios não de um modo insular ou paroquial mas porque querem ser ouvidos pelo seu próprio povo e se, ao mesmo tempo forem ouvidos por mais alguém, isso é um bónus”

Queremos fazer parte daquele “alguém” de que fala Friel e partilhar com o nosso público as maravilhosas histórias que a literatura irlandesa nos oferece.

Ficha Artística e Técnica:

Texto: Brian Friel | Tradução: Mick Greer, Graça Margarido | Encenação: José Peixoto | Interpretação: Jorge Silva, Sofia de Portugal, Teresa Faria e Teresa Mónica | Cenografia: Rui Francisco | Figurinos: Maria Luiz |  Música: Rui Rebelo | Desenho de Luz: Tasso Adamopoulos | Design Gráfico: MGAgentia – Beatriz Freitas | Produção Executiva: Vanessa Pereira | Produção: Teatro dos Aloés | M/12

Apresentações:

Dias: 26 de junho de 2019 a 7 de julho de 2019 nos Recreios da Amadora