Brevemente

Tristezas e Alegrias

Apresentações:
2 de novembro no Auditório Municipal de Montalegre

Sinopse:

Duas mulheres encontram-se numa velha casa de uma pequena aldeia do Karoo depois do funeral de David, o homem que ambas amaram. Uma é a sua esposa. A outra é mãe da sua filha. David, que fora levado ao exílio por causa do seu activismo político contra o apartheid, reaparece nas memórias das mulheres como que registadas a ferro. Durante uma tarde de verdade e reconciliação, os pactos de amor são dolorosamente marcados. O novo confronta-se com o velho e o que é a esperança para estas pessoas é a esperança para uma nova África do Sul. Feita de monólogos, memórias e desabafos que saltam do presente para o passado e que por vezes são só reflexões, produzem um teatro de uma convenção menos comum entre nós e que nos tocou profundamente e constitui um desafio para a cena e uma dádiva útil e emocionada para a sala.

Ficha Artística e Técnica:

Texto: Athol Fugard | Tradução: Mick Greer e Graça Margarido |Interpretação: Ana Valentim, Elsa Valentim, Jorge Silva e Laurinda Chiungue | Direção: José Peixoto | Cenografia: José Manuel Castanheira | Figurino: Maria Luiz | Música: Miguel Tapadas | Desenho de Luz: Tasso Adamopoulos | Fotografia: José Frade | Design Gráfico: Rui Pereira | Produção Executiva: Vanessa Pereira | Produção: Teatro dos Aloés | M/14

Quando vai Carmen fazer Lady Macbeth?

Apresentações:
15 de Dezembro às 21h30 no Cine-Teatro de Loures

Sinopse:

O público pediu mais histórias, Carmen pediu-nos mais espaço para as contar. Assim surge Quando vai Carmen fazer Lady Macbeth?
Carmen é uma Clown. Mas não é “mais uma” Clown, dado o seu bom nascimento e o que entretanto conquistou. Na verdade, a ideia de Carmen é muito simples e ao mesmo tempo extremamente complexa. Ela tem o sonho de fazer os papéis femininos mais famosos das peças de Shakespeare (como já foi o caso de Julieta) e acorda com o público só lhes retirar uma hora da sua atenção. Para isso, ela tem na equipa, um contra-regra, com a função específica de não tirar os olhos do relógio que está em cena e fazer imediatamente soar um gongue no último movimento acordado do ponteiro dos segundos. Não perdendo o facto de ser uma Clown, ela sela este contrato prometendo dar o seu máximo no cumprimento de todas os trechos e tarefas que afincadamente preparou para dar a mostrar. E como se trata mesmo de dar o máximo… não pode prometer mais do que não ser a entrega àquele momento. Ao momento em si dentro daquela sala. O que pode incluir os movimentos daquele espectador de bigode sentado na primeira fila ou aquela mosca que perpassa a cena em busca do calor dos projectores…

Ficha Artística e Técnica:

Interpretação: Elsa Valentim | Direção: Nuno Pino Custódio | Concepção Plástica: João Rodrigues | Figurino: Rafaela Mapril | Música: José Peixoto | Produção Executiva: Vanessa Pereira | Produção: Teatro dos Aloés | M/14