Outras Iniciativas

Calendarização: Entre 8 de fevereiro e 6 de março (segundas e quartas das 20h às 23h)Formadores: Elsa Valentim e José PeixotoLocal: Recreios da Amadora – Estúdio 2Valor: 50€Informações e inscrições: teatrodosaloes@sapo.pt / +351 916648204 (Chamada de rede móvel Nacional)
 

No Curso de Iniciação à Prática do Ator, as atividades formativas serão desenvolvidas através de exercícios referentes à integração de grupo, desinibição, descontração, coordenação psicofísica, exercícios de reeducação dos sentidos, desenvolvimento da observação, imaginação e criatividade.

O curso tem como objetivo dar a conhecer aos participantes noções básicas do exercício teatral e da profissão de ator. Tem uma componente teórica e uma prática e está dividido em três fases.

Na primeira fase abordam-se temas como as origens do Teatro e a sua missão social; o funcionamento de uma estrutura profissional: a escolha do reportório, a equipa, as etapas; os termos técnicos e os equipamentos teatrais, culminando com uma visita técnica e exercício prático no palco dos Recreios da Amadora.

A segunda fase vai ter a exposição de algumas das diferentes técnicas de atuação: a influência de Stanislavski no chamado Método; Lee Strasberg, Stella Adler e Michael Chekhov, bem como a metodologia de Manfred Wekwerth para a criação do espetáculo.

Numa terceira fase faz-se um trabalho prático de construção de personagem partindo da metodologia de Manfred Wekwerth e utilizando cenas paradigmáticas da peça “Os Rústicos” de Carlo Goldoni que faz parte da programação de 2024.

O Teatro dos Aloés utiliza habitualmente como objeto dos seus cursos obras de autores que são marcos da escrita teatral que criaram novos caminhos para o teatro e que significativamente marcaram a sua época.

Um desses autores paradigmáticos é Carlo Goldoni, veneziano que influenciou todo o teatro do séc. XVIII. Sem combater as figuras tradicionais atribui-lhe um realismo que nos faz representantes dos comportamentos paradigmáticos da sua sociedade, questionando-lhes os defeitos (ou as virtudes) de maneira a abrir caminhos para um mundo novo. As mulheres ganharam uma nova autoridade que as confronta com o poder tradicional dos homens. Faz entrar em cena as classes populares por quem sente uma manifesta ternura.

Serão abordadas as peças Teatro Cómico que é uma verdadeira “poética” do seu teatro e Os Rústicos fulgurante combate pela igualdade de género. Pretendemos com estas ações formativas contribuir para o crescimento dos praticantes de teatro, em número e em qualidade, valorizando a sua técnica e formas de encarar esta arte e aumentar, consequentemente o número e as capacidades de análise dos espetadores.

Os formadores serão José Peixoto e Elsa Valentim, com larga e reconhecida experiência artística e pedagógica.

José PeixotoLicenciado em História. Tornou-se profissional de Teatro com Os Bonecreiros em 1973. Estagiou no Théâtre de Gennevilliers com Bernard Sobel e no Piccolo Teatro di Milano com Giorgio Strehler. Esteve na equipa inicial do Centro Cultural de Évora. É cofundador do Teatro da Rainha. Esteve na Direção do Teatro Malaposta de 87 a 99. Colaborou com a Companhia de Teatro de Almada e com o Novo Grupo. Foi Presidente do Conselho Científico e Diretor do Departamento de Teatro da ESTC onde lecionou Interpretação e Teoria e Prática da Encenação. É cofundador do Teatro dos Aloés, onde desenvolve atividades como ator e encenador. Tem duas peças publicadas, O Ensaio e Os Guardas do Museu de Bagedad ambas estreadas no Teatro dos Aloés. Encenou mais de 50 obras, entre as suas escolhas podemos encontrar nomes como Ruzante, Goldoni, Moliere, Marivaux, Tchekhov, Ostrowski, Brecht O ́Casey, Miller, Fugard, Friel e os portugueses, Gil Vicente, Garrett e Mário de Carvalho.

Elsa ValentimFormada pela Escola Superior de Teatro e Cinema, é fundadora e membro da direção do Teatro dos Aloés onde tem trabalhado como atriz, encenadora e diretora de produção. Participou como atriz na maioria dos espetáculos da companhia onde se destacam os papeis de: Maria Sara em História do Cerco de Lisboa, Jane de Danças a um Deus Pagão, Macbeth em Demónios de Macbeth, a Clown Carmen e Liúba de o Jardim das Cerejeiras. Encenou no TdA, Os Malefícios do Tabado /Ovrede Tabaka, Fatma, Damas e Varões, O Caso do Beco das Sardinheiras, e A Morada É coordenadora do projeto O Teatro vai á Escola, para o qual encenou Os Lusíadas, O Urso e O Méu pé de Laranja Lima. e também do projecto AmadoraMostra. Na sua carreira já participou em inúmeros projetos de cinema e televisão. É fundadora da Act -Escola de Actores, na qual foi diretora pedagógica entre 2000 e 2020. É professora especialista na técnica de atuação Michael Chekhov. É frequentemente convidada para lecionar esta técnica em encontros internacionais (Croácia, Turquia, França) Em 2018 recebeu em Paris o prémio Prix François Florent Pédagogie.